Ocorreu um erro neste gadget

25 maio 2010

VOCÊ SABE DIFERENCIAR A AGRESSIVIDADE, A INDISCIPLINA E O CONFLITO?‏



Para falar sobre os tipos e as causas mais comuns na formação da violência nas escolas, torna-se importante também que aprendamos a diferenciar outros conceitos relacionados ao assunto que norteiam as relações humanas neste ou em outros espaços, como a Agressividade, a Indisciplina e o Conflito e assim evitar possíveis  distorções ao lidarmos com a temática da violência:

Agressividade: entende-se que ela faz parte da conduta humana, ou seja, é uma das funções do instinto natural de preservação. Segundo Jares (2002), pode ser negativa em si mesma, mas positiva e necessária como força para a auto-afirmação física e psíquica do indivíduo e ou grupo, sendo especialmente configurada pelos processos culturais de socialização. Muitas pessoas confundem agressividade com violência, justamente porque estas palavras mesmo tendo diferenças em seus sentidos, são constantemente utilizadas pela mídia de forma banalizada. Então, entender a agressividade como modo de afirmação, de auto-significação, ou de força para impulsionar a vida, desfaz esta percepção errada sobre o assunto e nos encaminha para ajudar os indivíduos (os educandos) a canalizar esta manifestação de forma mais saudável e a construção de uma personalidade não-violenta.

Indisciplina: pode se dizer que é qualquer ato ou omissão que contraria alguns princípios do regulamento interno ou regras básicas pré-estabelecidas por uma autoridade ou simplesmente, a falta de limites e respeito de um individuo que tem dificuldade de se autogovernar. A indisciplina é uma resposta à autoridade do professor, dos pais, chefe, etc. O indivíduo porque não está de acordo com as exigências da autoridade, com os valores que eles pretendem impor ou transmitir, não os aceita e age com comportamentos indesejados. Os motivos da indisciplina podem ser extrínsecos, tais como: problemas familiares, dificuldade de inserção social ou escolar, excessiva proteção dos pais, carências sociais, forte influência de ídolos violentos, etc. Ou intrínsecos, como desmotivação, desinteresse, insucesso escolar, imaturidade, problemas de aprendizagem, etc. É necessário então, observar e identificar se o individuo é realmente indisciplinado ou se passa por um alguma de dificuldade dentro ou fora da sua realidade. Hoje a indisciplina é um problema consideravelmente complexo para a escola e para a sociedade como um todo e o seu contraponto, a disciplina requer um aprendizado gradativo, permanente e existe investimento por parte da escola. Parafraseando Paulo Freire o que se pode dizer de mais procedente sobre o assunto: é que “Ninguém disciplina ninguém, mas por outro lado ninguém se disciplina sozinho. Os homens se disciplinam em conjunto, intermediados pela realidade do mundo.”

Conflito: antes de qualquer coisa é importante compreender que onde há vida possivelmente existirá conflitos, pois os conflitos são a matéria-prima da realidade, a trama da vida. Para Jares (2002), conflito é um processo natural, necessário e potencialmente positivo para as pessoas ou grupos sociais. É uma das forças motivadoras de mudanças pessoais, sociais e educativas, é um elemento criativo para solucionar problemas nas relações humanas. Mas, o próprio autor ressalta que esta definição nem sempre foi assim positiva. A visão tradicional que a maioria das pessoas tem do conflito é como algo negativo, indesejável, desagradável, aberrante, associado sempre a violência e que precisa se evitado a todo custo. Outro aspecto importante é que muitas vezes pensamos que conflito tem relação somente no confronto com a outra pessoa, mas, eles também moram dentro de nós. E geralmente entramos em conflito quando a nossas necessidades básicas não são atendidas e isso se agrava quando não sabemos distingui-las dos desejos pessoais.

Trazer estes temas explicitados anteriormente é de uma relevância muito grande para entendermos a violência, mas que nem sempre é confortável para a comunidade escolar porque muitos educadores pensam que estes assuntos não combinam com o papel construtivo e pacificador da escola. Mas, neste momento não podemos tratar estes assuntos com neutralidade, já que convivemos o tempo todo com situações conflituosas. A escola também não pode ser mais pensada como refém de um entorno hostil, em muitas situações como disse anteriormente, ela própria é uma reprodutora de comportamentos agressivos, quando não violentos.
 
E você, caro leitor, sabe diferenciar a Agressividade, da Indisciplina e do Conflito na escola e na vida, comente!!!
 

Um comentário:

Anônimo disse...

Parece que a falta de espaço para o discernimento destas questões no âmbito externo atinge o aprisionamento dentro de si mesmo. Ou será como a velha dúvida de quem nasceu primeiro, o ovo ou a galinha?

Adriano