Ocorreu um erro neste gadget

04 abril 2010

CONCEITO(S) DA PAZ NA EDUCAÇÃO E NA VIDA

Segundo a UNESCO, Jares, Velázques, Weil, Assagioli/Mesquita, Gandhi, Sathya Sai Baba, Montessori, dentre outros teóricos estudados, existem alguns princípios que fundamentam a cultura de paz e que precisam ser compreendidos e explicitados se quisermos construir a educação para a paz nas escolas, que vou chamar de (EP) para facilitar:

• A (EP) propõe de antemão que a paz, deve ser vista a partir do horizonte do pacifismo e não da passividade que são proposições totalmente diferentes; precisa ser visto mais como um movimento em curso, num processo de ação proativa desenvolvendo uma profunda consciência das reais possibilidades de se resolver conflitos de forma não-violenta e pacífica, do que somente como mais uma meta a ser alcançada sem um propósito firme ou falta de atitude, atividade, inércia etc.;

• A (EP) é um processo dinâmico, contínuo, permanente e é importante ressaltar acima de tudo (pro)ativo e não (re)ativo, devendo fazer parte do cotidiano escolar e não somente em momentos pontuais;

• A (EP) é um processo transversal inter-transdiciplinar, afetando todos os elementos do currículo escolar e todas as etapas educativas;

• A (EP) é uma forma de educar através dos valores humanos absolutos, como verdade, ação correta, paz, amor e não-violência e dos valores relativos, a educação não é um processo neutro, e assim consciente ou inconscientemente transmitimos valores aos nossos educandos;

• A (EP) é um forma de resolver os conflitos de forma criativa, o conflito, por sua vez, passa a ser compreendido de forma positiva, educativa e como fenômeno próprio da convivência humana, passível de ser conduzido de modo a integrar os indivíduos em uma comunidade democrática e justa;

• A (EP) é uma forma de educar de acordo aos direitos humanos e a cidadania democrática, os direitos humanos servem como guia educativo no centro na luta pela dignidade humana;

• A (EP) supõe o emprego de meios de acordo com os fins a que se pretende;

• A (EP) propõe a prática da não-violência ativa, não aceitando a violência em nenhuma das suas formas: física, sexual, psicológica, econômica, social, cultural, em particular dirigida aos mais fracos e vulneráveis, como as crianças e os adolescentes;

• A (EP) está relacionada às três dimensões relacionais da harmonia nas quais se desenvolve o ser humano: a paz consigo mesmo; a paz com os outros, a partir da interação com as estruturas sociais e a paz com o meio ambiente em que se vive;

• A (EP) exige a superação da sua visão negativa, para o entendimento da paz no seu aspecto positivo, que é a paz que garante que as necessidades humanas básicas para todas as pessoas sejam atendidas sejam atendidas sem nenhum tipo de discriminação;

• A (EP) afirma que a escola apresenta-se como um ambiente complexo e de interação de culturas diversas (diversidade cultural), atravessada consequentemente por tensões e conflitos, exigindo que os educadores trabalhem, cada vez mais, com aspectos da multiculturalidade e da interculturalidade, abolindo preconceitos e estereótipos;

• A (EP) propõe que nós aprendamos a conviver, trata-se de aprender a viver juntos, desenvolvendo o conhecimento acerca dos outros, da sua história, tradições e espiritualidade, etc.;

• A (EP) propõe que desenvolvamos mecanismos de comunicação empática e dialógica, construídas na base do respeito, reciprocidade, confiança, aceitação incondicional dos outros, etc.;

• A (EP) propõe o desenvolvimento saudável das relações intra e interpessoais;

• A (EP) propõe o estabelecimento de pactos de convivência, como normas reguladoras da escola num padrão de democracia participativa e igualitária (Igualdade na Diversidade);

• A (EP) propõe que as artes e suas linguagens, através de suas atividades criativas, possibilita que os educandos aprendam a arte de viver em paz, ou seja, os aspectos imagéticos, culturais, sensibilizadores, criativos e intuitivos da arte servem para interconectar os níveis da personalidade, aprimorar a expressão da inteligência, despertá-los para a poética do belo e da estética do bem na vida prática, despetando-os para os valores humanos fundamentais e novas formas de convivência.

A (EP) propõe muitos outros princípios para a paz... Cabe a cada um de nós buscá-los e aplicá-los em nosso dia-a-dia. 

SUGIRA OS SEUS PRINCÍPIOS POSTANDO COMENTÁRIOS!

3 comentários:

WAL CARIOQUINHA disse...

Adorei sua idéia, pode contar comigo para divulgarmos a paz neste mundo!
Não esquecendo que a paz começa dentro do nosso lar!
Bjos

Jaiartes disse...

Com certeza amiga!!! Que lar vc fala o da alma_espirito ou lar material e ou familiar...Ajuda a construir a paz do mundo sempre, em todos os momentos!!!

Anônimo disse...

POIS! A PAZ ÉA FERRAMENTA PARA SE TRABALHAR A CONSCIÊNCIA HUMANA ATUALMENTE AGREDIDA COM TANTA INFORMAÇÃO INADEQUADA PARADESVIRTUAR A CRIANÇA, O JOVEM E A MULHER BRASILEIRA. PARA BÉNS PELA SUA CORAGEM. ATITUDE CIDADÃ. UM ABRAÇO CORDIAL. DOMININICK STRAUSS-PEDAGOGA.